#mídiasEDU é publicado para apoiar professores no uso de tecnologias para a educação

25/03/2020

As tecnologias de informação e comunicação – TIC’s modificaram a comunicação e estão intensamente presentes no cotidiano, intervindo nas diferentes esferas sociais. Essas transformações, que ocorrem mediadas por tecnologias em rede, atomizaram o lugar que ocupamos no mundo e tornaram urgente a reinvenção do modo de operação social, incluindo os campos da educação e da cultura.

TV, cinema, internet, telefones celulares etc. estão cada vez mais acessíveis e podem ser importantes ferramentas didáticas. Mas como incorporar as tecnologias digitais em uma abordagem educativa? As instituições escolares estão preparadas para incorporar essas tecnologias digitais em seu cotidiano? Os professores estão tão familiarizados com esses aparatos quanto seus alunos? A universidade tem se preocupado em formar professores sensíveis a esse contexto, em boa medida, modelado pela operacionalização dos meios digitais? Estas e outras questões nos ajudam a pensar como a prática pedagógica pode operar com o auxílio de tantos aparatos digitais disponíveis.¹

O pensamento de José Moran², sobre os novos espaços de atuação do professor com o apoio das tecnologias digitais, diz que o docente "em qualquer curso presencial, precisa aprender a gerenciar vários espaços e a integrá-los de forma aberta, equilibrada e inovadora, pois antes ele só se preocupava com o aluno em sala de aula, agora, continua com o estudante no laboratório (organizando a pesquisa), na internet (atividades a distância) e no acompanhamento das práticas, dos projetos, das experiências que ligam o aprendiz à realidade, à sua profissão (ponto entre a teoria e a prática) – e tudo isso fazendo parte da carga horária da sua disciplina, estando visível na grade curricular, flexibilizando o tempo de estada em aula e incrementando outros espaços e tempos de aprendizagem".

Partindo desta reflexão e da observação empírica deste tempo presente, é possível constatar que as mudanças que estão em curso na sociedade são inevitáveis e de grande magnitude.

A sala de aula como espaço tradicional de trocas e aprendizagens não dá mais conta das novas formas de ensinar e aprender apresentados pela contemporaneidade, considerando, sobretudo, o perfil das novas gerações que já acessam os aparatos digitais de comunicação desde a infância.

Esse cenário impõe um desafio para instituições escolares e educadores no sentido de se atualizarem para essa realidade que se apresenta diante de nossas práticas pedagógicas. Questões de infraestrutura lógica e tecnológica na formação dos docentes, para o aproveitamento das oportunidades ofertadas pelas inúmeras ferramentas disponíveis no universo digital, precisam ser sanadas para que a sala de aula possa ultrapassar as fronteiras da presencialidade e a tecnologia digital possa ser uma aliada e não uma inimiga.

Contudo, é preciso ressaltar que o professor não precisa ser um blogueiro ou tuiteiro e menos ainda um programador de mão cheia. O que se espera do docente é que esteja aberto à possibilidade do uso dessas tecnologias que podem ser aplicadas à educação e que seja entusiasmado com outros caminhos.

Como possível trajeto para encurtar distâncias, Martins³ propõe um pacto entre estudante e professor no que se refere à manipulação desses aparatos: "se, de um lado, os estudantes apresentam-se mais familiarizados com os aparatos tecnológicos e suas ferramentas e de outro lado os professores têm maturidade para provocar questões diversas para serem desenvolvidas a partir de seus usos, um e outro podem tomar parte desse processo, contribuindo com o que sabem, aprendendo o que ainda não sabem, produzindo outras possibilidades de aprendizagem".

Foi nesta perspectiva que este manual foi elaborado: apresentar possibilidades de aproximação entre professores e alunos por meio da prática pedagógica mediada por tecnologias digitais, com o objetivo de apresentar algumas ferramentas de apoio para ações educacionais, facilitando e potencializando a aprendizagem em seus diferentes contextos.

O manual foi construído indicando tutorais e links de acesso para diversos conteúdo e também compilando experiências de outras instituições que já formalizaram o uso das tecnologias digitais em seus contextos pedagógicos.

É importante lembrar que o uso das metodologias de ensino-aprendizagem online não acarretam mudança dos projetos de cursos presenciais no que diz respeito à inserção de carga horária EaD, mas sim no uso de abordagens pedagógicas e novas metodologias que permitam o encontro didático entre professores e estudantes pelos recursos e mídias digitais.

Esperamos que este guia possa orientar e esclarecer dúvidas sobre a utilização desses aparatos digitais como apoio ao processo de ensino e aprendizagem.

Boa leitura, bom trabalho.

Prof. Dr. Marcelo Costa

 

O Cria Lab|UEG

O Laboratório de Pesquisas Criativas e Inovação em Audiovisual - Cria Lab|UEG, vinculado ao Grupo de Pesquisa Centro de Investigação e Realização Audiovisual, da Unidade Universitária Goiânia-Laranjeiras, pretende tornar a UEG referência nacional em pesquisas no campo do Audiovisual, estabelecendo reflexões acerca de sua natureza híbrida e convergente, bem como compreender seus limites e potencialidades. 

Com caráter interdisciplinar o Cria Lab|UEG pretende estabelecer diálogos com programas de pós-graduação, instituições e órgãos internos e externos à UEG nas seguintes áreas: cinema e audiovisual, design, comunicação, artes, gestão cultural, economia criativa, educação, tecnologia da informação e engenharia da computação.

Para saber mais acesse www.cria.ueg.br 

 

  

Clique na capa da publicação abaixo para fazer o dowload. 

 mdiasEDU_Ferramentas_de_apoio_para_aes_educacionais_mediadas_por_tecnologias_digitais

 

  1. COSTA, Marcelo Henrique da. Olhares Móveis: narrativas audiovisuais, aparatos móveis e experiências cartográficas. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais (FAV), Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual, Goiânia, 2018.
  2. MORAN, José. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica, Papirus, 21ª ed, 2013, p. 27-29
  3. MARTINS, Alice Fátima. Mídias contemporâneas: narrativas e aprendizagens fora e dentro da escola. In: Visualidade e cotidiano no ensino da arte / organizadores, Nádia da Cruz Senna, Ursula Rosa da Silva. Goiânia: Gráfica da UFG, 2016..